Rental Software - Vivorental.com

Info:
- Aluguel de Computadores para consultorios, com toda a suporte: Convex
- Aluguel de multifuncionais, com toner, cilindro e suporte: Convex
- Adovagados - Previdenciario, DPVAT, Civil, Familia e Criminal - em Sinop / MT
- CRM, Proposal, Contracts and Invoices Management tool for small business
- CRM FOR RENTAL COMPANIES

Bula Medicamento - Synthroid


Synthroid®

Levotiroxina sódica

Uso adulto e pediátrico


Forma farmacêutica e apresentações - SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 25 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 50 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 75 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 88 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 100 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 112 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 125 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 150 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 175 mcg: Embalagem com 30 comprimidos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica): Comprimido 200 mcg: Embalagem com 30 comprimidos.

Composição - Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 25 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio FD & C amarelo no 6. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 50 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 75 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio vermelho FD & C no 40, laca alumínio azul FD & C no 2. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 88 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio D & C amarelo no 10, mistura de lacas DC verde-oliva. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 100 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio amarelo FD & C no 6, laca alumínio amarelo D & C no 10. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 112 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, mistura de lacas DC vermelho no 9570. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 125 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, misturas de laca marrom no 9195. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 150 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio azul FD & C no 2. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 175 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, mistura de lacas alumínio vermelho D & C vermelho no 9570, laca alumínio azul FD & C no 1. Cada comprimido contém: Levotiroxina sódica 200 mcg. Excipientes: Açúcar, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, laca alumínio vermelho FD & C no 40.

Informação ao paciente - Ação esperada do medicamento: SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é utilizado para a reposição de um hormônio normalmente produzido pela glândula tireóide. Geralmente, a terapia de reposição deverá ser tomada por toda a vida, exceto nos casos de hipotireoidismo transitório, geralmente associado a uma inflamação da glândula tireóide (tireoidite). São necessárias várias semanas de tratamento antes que seja notada melhora dos sintomas. Cuidados de conservação: Este medicamento deve ser guardado dentro da embalagem original. Conservar em temperatura ambiente (15°C-30°C) e proteger da luz e umidade. Prazo de validade: Ao adquirir qualquer medicamento confira sempre o prazo de validade impresso na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez, na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. É provável que a dose do medicamento precise ser ajustada se você engravidar. Cuidados de administração: Use SYNTHROID® (levotiroxina sódica) apenas quando prescrito pelo seu médico. SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser tomado pela manhã, com o estômago vazio, pelo menos 1/2 hora antes da ingestão de qualquer alimento. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. Podem ocorrer batimentos cardíacos rápidos ou irregulares, dor no peito, respiração curta, cãibras nas pernas, dor de cabeça, nervosismo, irritabilidade, insônia, tremores, alteração do apetite, ganho ou perda de peso, vômitos, diarréia, suor excessivo, intolerância ao calor, febre, alterações nos ciclos menstruais, urticária ou erupções cutâneas. Queda parcial de cabelos pode ser verificada raramente nos primeiros meses do tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Entretanto, este fenômeno é transitório. Ingestão concomitante com outras substâncias: O consumo de determinados alimentos pode afetar a absorção da levotiroxina levando à necessidade de ajuste da posologia. A farinha de soja (preparação pediátrica), farinha de caroço de algodão, nozes e fibras dietéticas podem se ligar a levotiroxina sódica e diminuir a sua absorção no trato gastrintestinal. Contra-indicações: SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é contra-indicado a pacientes com quadro subclínico não-tratado (nível sérico de TSH suprimido com níveis normais de T3 e T4) ou tireotoxicose evidente de qualquer etiologia e em pacientes com infarto agudo do miocárdio. A levotiroxina é contra-indicada a pacientes com insuficiência adrenal não-corrigida (ver Precauções). SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é contra-indicado a pacientes com hipersensibilidade a levotiroxina sódica ou aos demais componentes do produto. Precauções: Informe ao médico se você for alérgico a algum medicamento ou alimento, se está grávida ou se pretende engravidar, se está amamentando ou se estiver tomando qualquer medicamento, incluindo preparações que não precisam de receita médica para serem compradas. Informe ao seu médico qualquer outra condição médica que você apresente, particularmente doença do coração, diabetes, distúrbios de coagulação e problemas na glândula adrenal ou na hipófise. A dose das medicações usadas para o controle dessas outras condições pode precisar ser ajustada quando você estiver tomando SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Se você tiver diabetes, siga as recomendações de seu médico com relação à monitoração dos níveis de glicose no sangue e na urina, e em caso de qualquer modificação, informe ao seu médico. Se você estiver tomando anticoagulantes, seu estado de coagulação deve ser monitorado freqüentemente. Informe ao seu médico e/ou cirurgião-dentista que você está tomando SYNTHROID ® (levotiroxina sódica) antes de qualquer cirurgia. SYNTHROID ® (levotiroxina sódica) não deve ser utilizado como tratamento principal ou coadjuvante em programas de perda de peso. Atenção diabéticos: Contém açúcar. Informe o médico sobre qualquer medicamento que esteja tomando, antes do início ou durante o tratamento.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Informações técnicas

Características químicas e farmacológicas - SYNTHROID® (levotiroxina sódica) contém o sal de sódio cristalino sintético da L-3,3',5,5'-tetraiodotironina [levotiroxina (T4) sódica]. A T4 sintética é idêntica à produzida pela glândula tireóide humana. A fórmula empírica da levotiroxina (T4) sódica é: C15H10I4N NaO4·H2O; o peso molecular é de 798,86 g/mol (anidra).

Farmacologia clínica - A síntese e a secreção do hormônio tireoidiano são reguladas pelo eixo hipotálamo-hipófise-tireóide. O hormônio liberador de tirotropina (TRH), liberado pelo hipotálamo, estimula a secreção do hormônio estimulador da tirotropina, TSH, a partir da hipófise anterior. O TSH, por sua vez, é o estímulo fisiológico para a síntese e secreção dos hormônios tireoidianos, a L-tiroxina (T4) e a L-triiodotironina (T3), pela glândula tireóide. Os níveis séricos circulantes de T3 e T4 exercem efeito de feedback tanto sobre a secreção de TRH, quanto de TSH. Quando aumentam os níveis séricos de T3 e T4, diminui a secreção de TRH e de TSH. Quando diminuem os níveis séricos de T3 e T4, aumenta a secreção de TRH e de TSH. O mecanismo pelo qual os hormônios tireoidianos exercem seus efeitos fisiológicos não é completamente conhecido, mas acredita-se que seus principais efeitos ocorrem através do controle da transcrição de DNA e da síntese de proteínas. A T3 e T4 se difundem para o núcleo das células e se ligam a proteínas receptoras da tireóide ligadas ao DNA. Este complexo de hormônio nuclear ativa a transcrição de genes e a síntese do RNA-mensageiro e proteínas citoplasmáticas. Os hormônios da tireóide regulam múltiplos processos metabólicos, desempenham um papel essencial no crescimento e desenvolvimento normais e na maturação normal dos sistemas nervoso central e ósseo. As ações metabólicas dos hormônios tireoidianos incluem o aumento da respiração celular e da termogênese, bem como o metabolismo de proteínas, carboidratos e lipídios. Os efeitos anabólicos protéicos dos hormônios da tireóide são essenciais para o crescimento e desenvolvimento normais. As ações fisiológicas dos hormônios da tireóide são produzidas predominantemente pela T3, cuja maior parte (aproximadamente 80%) é derivada da T4 por deiodação nos tecidos periféricos. A levotiroxina, em doses individualizadas de acordo com a resposta do paciente, é eficaz como tratamento de reposição ou suplementação no hipotireoidismo de qualquer etiologia, exceto no hipotireoidismo transitório durante a fase de recuperação de tireoidite subaguda. A levotiroxina também é eficaz na supressão da secreção hipofisária de TSH no tratamento ou prevenção de vários tipos de bócio eutireoidianos, incluindo nódulos da tireóide, tireoidite de Hashimoto, bócio multinodular e como coadjuvante no tratamento do câncer de tireóide bem diferenciado dependente de tirotropina (ver Indicações, Precauções e Posologia).

Farmacocinética - Absorção: A absorção gastrintestinal (GI) da T4 administrado por via oral varia entre 40% e 80%. A maior parte da dose de levotiroxina é absorvida no jejuno e no íleo superior. A biodisponibilidade relativa de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) Comprimidos em comparação com mesma dose de levotiroxina sódica solução é de aproximadamente 93%. A absorção da T4 é aumentada pelo jejum e diminuída em síndromes de má absorção e por determinados alimentos, tais como preparações pediátricas à base de soja. Fibras dietéticas diminuem a biodisponibilidade de T4. A absorção pode também diminuir com a idade. Além disso, muitos medicamentos e alimentos afetam a absorção da T4 (ver Interações medicamentosas e Interações com alimentos). Distribuição: Os hormônios tireoidianos circulantes encontram-se ligados às proteínas plasmáticas em mais de 99%, incluindo a globulina de ligação a tiroxina (TBG), pré-albumina de ligação a tiroxina (TBPA) e albumina (TBA), cujas capacidades e afinidades variam para cada hormônio. A maior afinidade tanto da TBG quanto da TBPA para a T4 explica parcialmente os níveis plasmáticos mais elevados, a depuração metabólica mais lenta e a meia-vida mais longa da T4, em comparação com a T3. Os hormônios tireoidianos ligados às proteínas existem em equilíbrio reversível com pequenas quantidades de hormônio livre. Apenas o hormônio não-ligado à proteína é metabolicamente ativo. Muitos medicamentos e condições fisiológicas afetam a ligação dos hormônios tireoidianos às proteínas séricas (ver Interações medicamentosas e Interações com exames laboratoriais). Os hormônios da tireóide não atravessam facilmente a barreira placentária (ver Precauções, Gestação). Metabolismo: A T4 é eliminada lentamente (ver Tabela 1). A principal via metabólica do hormônio tireoidiano é através de deiodação seqüencial. Aproximadamente 80% da T3 circulante são derivados, por monodeiodação, da T4 periférica. O fígado é o principal local de degradação tanto para a T4 quanto para a T3, sendo que a deiodação da T4 também ocorre em outros locais, incluindo os rins e outros tecidos. Aproximadamente 80% da dose diária de T4 são deiodados para produzir iguais quantidades de T3 e T3 reversa (rT3). A T3 e a rT3 são posteriormente deiodadas formando a diiodotironina. Os hormônios da tireóide também são metabolizados através de conjugação com glicuronídeos e sulfatos e excretados diretamente na bile e intestino, onde sofrem circulação êntero-hepática. Eliminação: Os hormônios da tireóide são eliminados principalmente pelos rins. Uma parte do hormônio conjugado atinge o cólon de forma inalterada e é eliminada nas fezes. Aproximadamente 20% da T4 são eliminados nas fezes. A excreção urinária da T4 diminui com a idade.

Tabela 1 - Parâmetros de farmacocinética dos hormônios tireoidianos em pacientes eutireoidianos

Hormônio Proporção em Potência T1/2 Ligação
tiroglobulina biológica (dias) protéica (%)2

Levotiroxina (T4) 10-20 1 6-71 99,96
Liotironina (T3) 1 4 £ 2 99,5


1 3 a 4 dias em hipertireoidismo, 9 a 10 dias em hipotireoidismo.
2 Inclui TBG, TBPA e TBA.


Indicações - SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é indicado para: Hipotireoidismo: Como terapia de reposição ou suplementação em pacientes com hipotireoidismo congênito ou adquirido de qualquer etiologia (exceto no hipotireoidismo transitório, durante a fase de recuperação de tireoidite subaguda). Nesta categoria incluem-se: cretinismo, mixedema e hipotireoidismo comum em pacientes de qualquer idade (crianças, adultos e idosos) ou fase (inclusive gravidez); hipotireoidismo primário resultante de déficit funcional; atrofia primária; ablação total ou parcial da glândula tireóide, com ou sem bócio; hipotireoidismo secundário (hipofisário) ou terciário (hipotalâmico). Supressão de TSH hipofisário: No tratamento ou prevenção dos vários tipos de bócios eutireoidianos (ver Advertências e Precauções), incluindo nódulos tireoidianos, tireoidite linfocítica subaguda ou crônica (tireoidite de Hashimoto), bócio multinodular e como adjuvante nas cirurgias e radioiodoterapia para controle de câncer tireoideano bem diferenciado tireotropina-dependente.

Contra-indicações - SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é contra-indicado a pacientes com quadro subclínico não-tratado (nível sérico de TSH suprimido com níveis normais de T3 e T4) ou tireotoxicose evidente de qualquer etiologia a pacientes com infarto agudo do miocárdio. A levotiroxina é contra-indicada a pacientes com insuficiência adrenal não-corrigida, pois os hormônios tireoidianos podem desencadear uma crise adrenal aguda devido ao aumento da depuração metabólica de glicocorticóides (ver Precauções). SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é contra-indicado a pacientes com hipersensibilidade a levotiroxina sódica ou aos demais componentes do produto (ver Composição, Excipientes).

Advertências - Os hormônios da tireóide, incluindo SYNTHROID® (levotiroxina sódica), seja isoladamente ou juntamente com outros agentes terapêuticos, não devem ser utilizados para o tratamento da obesidade ou perda de peso. Em pacientes eutireoidianos, doses dentro da variação das necessidades hormonais diárias são ineficazes na redução de peso. Doses maiores podem produzir manifestações graves de toxicidade ou colocar a vida do indivíduo em risco, particularmente quando administradas em associação com aminas simpatomiméticas, tais como aquelas utilizadas por seus efeitos anorexígenos. SYNTHROID® (levotiroxina sódica) não deve ser utilizado no tratamento da infertilidade masculina ou feminina, a menos que esta condição esteja associada ao hipotireoidismo. Em pacientes com bócio difuso atóxico ou doença tireoidiana nodular, particularmente idosos ou com doença cardiovascular subjacente, SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é contra-indicado caso os níveis séricos de TSH já estejam suprimidos, devido ao risco de precipitação de tireotoxicose evidente (ver Contra-indicações). Se os níveis séricos de TSH não estiverem suprimidos, SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser utilizado com cautela juntamente com monitoração cuidadosa da função tireoidiana para evidência de hipertireoidismo, e monitoração clínica para detecção de possíveis sintomas e sinais cardiovasculares adversos de hipertireoidismo associado.

Precauções - Gerais: SYNTHROID® (levotiroxina sódica) apresenta índice terapêutico estreito. Independentemente da indicação de uso, é necessária uma titulação cuidadosa da dose para evitar conseqüências de tratamento com doses excessivas ou insuficientes. As conseqüências incluem, entre outros, efeitos sobre o crescimento e o desenvolvimento, sobre a função cardiovascular, o metabolismo ósseo, a função reprodutora, a função cognitiva, o estado emocional, a função gastrintestinal e o metabolismo da glicose e dos lipídios. Muitos medicamentos apresentam interação com a levotiroxina sódica, necessitando ajuste na posologia para manter a resposta terapêutica (ver Interações medicamentosas). Efeitos sobre a densidade mineral óssea: Em mulheres, o tratamento por longo prazo com levotiroxina foi associado a um aumento da reabsorção óssea, resultando em diminuição da densidade mineral óssea, especialmente em mulheres no período da pós-menopausa que recebem doses maiores que a dose de reposição ou em mulheres que estejam recebendo doses supressivas de levotiroxina sódica. O aumento da reabsorção óssea pode ser associado a aumento dos níveis séricos e excreção urinária de cálcio e fósforo, aumento da fosfatase alcalina óssea e supressão dos níveis séricos de hormônio paratireoideano. Portanto, recomenda-se que pacientes tratadas com levotiroxina sódica recebam a mínima dose diária necessária para atingir a resposta clínica e bioquímica desejada. Pacientes com doenças cardiovasculares subjacentes: Recomenda-se cautela na administração de levotiroxina em pacientes com distúrbios cardiovasculares e idosos nos quais há risco aumentado de doença cardíaca oculta. Nesses pacientes, o tratamento com levotiroxina deve ser iniciado com doses menores que as doses recomendadas habitualmente para indivíduos mais jovens ou pacientes sem doenças cardíacas (ver Advertências, Pacientes idosos e Posologia). Se aparecerem ou se houver piora de sintomas cardíacos, a dose de levotiroxina deve ser diminuída ou o tratamento suspenso por uma semana e, então, reinstituído cuidadosamente com uma dose menor. O tratamento com dose excessiva de levotiroxina sódica pode resultar em efeitos adversos cardiovasculares, tais como aumento da freqüência cardíaca, hipertrofia da parede miocárdica, aumento da contratilidade miocárdica e quadro de angina ou de arritmias. Pacientes com doença arterial coronariana tratados com levotiroxina devem ser monitorados rigorosamente durante procedimentos cirúrgicos, pois a possibilidade de desencadear arritmias cardíacas é maior nesses pacientes. A administração concomitante de levotiroxina e agentes simpatomiméticos em pacientes com doença arterial coronariana pode precipitar insuficiência coronariana.Pacientes com bócio difuso atóxico ou doença tireoidiana nodular: Recomenda-se cautela na administração de levotiroxina em pacientes com bócio difuso atóxico ou doença tireoidiana nodular a fim de impedir o desencadeamento de tireotoxicose (ver Advertências). Se os níveis séricos de TSH já estiverem suprimidos, a levotiroxina sódica não deve ser administrada (ver Contra-indicações). Distúrbios endócrinos associados: Deficiência de hormônio hipofisário/hipotalâmico: Em pacientes com hipotireoidismo secundário ou terciário, a deficiência adicional de hormônio hipofisário/hipotalâmico deve ser considerada, e, se diagnosticada, deve ser tratada (ver Síndrome poliglandular auto-imune). Síndrome poliglandular auto-imune: Ocasionalmente, pode ocorrer tireoidite auto-imune crônica em associação a outros distúrbios auto-imunes, tais como insuficiência adrenal, anemia perniciosa e diabetes tipo I. Pacientes com insuficiência adrenal concomitante devem ser tratados com reposição de glicocorticóides antes de iniciar o tratamento com levotiroxina sódica. Se isso não for feito, pode ser desencadeada uma crise adrenal aguda quando o tratamento com hormônio tireoidiano for iniciado, por causa da depuração metabólica aumentada de glicocorticóides pelo hormônio tireoidiano. Pacientes diabéticos podem necessitar de ajuste da posologia de seus medicamentos antidiabéticos quando iniciarem o tratamento com levotiroxina (ver Interações medicamentosas). Outras condições médicas associadas: Pacientes pediátricos com hipotireoidismo congênito parecem apresentar risco aumentado para outras anomalias congênitas, sendo as mais comuns anomalias cardiovasculares (estenose pulmonar, defeito do septo atrial e defeito do septo ventricular).

Exames laboratoriais - Gerais: O diagnóstico de hipotireoidismo é confirmado pela medida dos níveis de TSH utilizando um método sensível (avaliação de sensibilidade de segunda geração £ 0,1 MUI/l ou terceira geração £ 0,01 MUI/l) e pela medida da T4 livre. A adequação do tratamento é determinada pela avaliação periódica dos exames laboratoriais apropriados e pela avaliação clínica. A escolha dos exames laboratoriais depende de vários fatores incluindo a etiologia da doença tireoidiana subjacente, a presença de condições médicas associadas, incluindo gravidez, e o uso concomitante de medicamentos (ver Interações medicamentosas e Interações com exames laboratoriais). Evidências laboratoriais e/ou clínica persistente de hipotireoidismo, apesar de uma dose de reposição aparentemente adequada de levotiroxina sódica, podem ser evidência de absorção inadequada, má adesão ao tratamento, interações medicamentosas ou potência diminuída da T4 presente no produto em questão. Adultos: Em pacientes adultos com hipotireoidismo primário (tireoidiano), os níveis séricos de TSH (utilizando uma avaliação sensível) isoladamente podem ser utilizados para monitorar o tratamento. A freqüência da monitoração de TSH durante a titulação da dose de levotiroxina depende da situação clínica, mas geralmente recomenda-se intervalos de 6-8 semanas até a normalização. Para pacientes que iniciaram o tratamento com levotiroxina recentemente e cujos níveis séricos de TSH normalizaram, ou pacientes que foram submetidos a modificações da posologia ou da marca de medicamento, a concentração sérica de TSH deve ser medida após 8-12 semanas. Quando a dose de reposição ideal for atingida, a monitorização clínica (exame físico) e bioquímica pode ser realizada a cada 6-12 meses, dependendo da situação clínica, e sempre que houver modificação no estado do paciente. Recomenda-se que o exame físico e a medida dos níveis séricos de TSH sejam realizados no mínimo anualmente em pacientes tratados com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) (ver Advertências, Precauções e Posologia). Crianças: Em pacientes com hipotireoidismo congênito, a adequação do tratamento de reposição deve ser avaliada pela medida de TSH sérico (utilizando método sensível) e T4 total e livre. Durante os três primeiros anos de vida, a T4 sérico total e livre devem ser mantidos na metade superior da variação normal. Embora o objetivo do tratamento seja normalizar o nível sérico de TSH, isto nem sempre é possível em uma pequena porcentagem de pacientes, particularmente nos primeiros meses de tratamento. O TSH pode não normalizar devido a um reajuste do feedback hipófise-tireóide como resultado do hipotireoidismo intra-uterino. Um aumento na T4 sérico até à metade superior da variação normal dentro de 2 semanas após o início do tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) e/ou diminuição do TSH sérico abaixo de 20 MU/l dentro de 4 semanas devem servir de alerta para o médico sobre a possibilidade de a criança não estar recebendo adequadamente o tratamento. Uma cuidadosa investigação deve ser feita quanto à adesão ao tratamento, à dose administrada e ao método de administração, antes de aumentar a dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica). A freqüência recomendada de monitorização do TSH e da T4 livre e total em crianças é a seguinte: 2 e 4 semanas após o início do tratamento; a cada 1-2 meses durante o primeiro ano de vida; a 2-3 meses entre 1 e 3 anos de idade; e depois dessa idade, a cada 3 a 12 meses até o completo crescimento. Intervalos mais freqüentes de monitorização podem ser necessários se houver suspeita de má adesão ao tratamento ou se forem obtidos valores anormais. Recomenda-se que os níveis de TSH e de T4 e o exame físico, se indicado, sejam realizados 2 semanas após qualquer alteração na posologia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica). O exame clínico de rotina, incluindo avaliações de crescimento e desenvolvimento físico e mental, e da maturação óssea devem ser realizados em intervalos regulares (ver Precauções, Uso pediátrico e Posologia). Hipotireoidismo secundário (hipofisário) e terciário (hipotalâmico): Adequação do tratamento deve ser avaliada pela medida dos níveis séricos de T4 livre, que devem ser mantidos na faixa da metade superior da variação da normalidade nesses pacientes. Carcinogênese, mutagênese e alterações da fertilidade: Não foram realizados estudos em animais para avaliar o potencial carcinogênico, mutagênico ou os efeitos da levotiroxina sobre a fertilidade. A T4 sintética presente em SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é idêntica àquela produzida naturalmente pela glândula tireóide humana. Gestação: Os estudos em mulheres que receberam levotiroxina sódica durante a gestação não mostraram risco aumentado para anomalias congênitas. Portanto, a possibilidade de aparecimento de danos fetais parece remota. O tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) não deve ser descontinuado durante a gestação. O hipotireoidismo diagnosticado durante a gestação deve ser tratado imediatamente. O hipotireoidismo durante a gestação é associado a um índice elevado de complicações, incluindo aborto espontâneo, pré-eclâmpsia, parto prematuro e natimorto. O hipotireoidismo materno pode apresentar efeito adverso sobre o crescimento e desenvolvimento fetal e infantil. Durante a gestação, os níveis séricos de T4 podem diminuir e os níveis séricos de TSH aumentar a valores fora dos limites de normalidade. Considerando que podem ocorrer elevações dos níveis séricos de TSH em períodos tão precoces quanto 4 semanas de gestação, o TSH deve ser avaliado a cada trimestre nas gestantes tratadas com SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Níveis séricos elevados de TSH devem ser corrigidos através do aumento da dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Considerando que no pós-parto os níveis de TSH são semelhantes àqueles observados antes da concepção, a dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve retornar à dose pré-gestação imediatamente após o parto. O nível sérico de TSH deve ser avaliado 6 a 8 semanas após o parto. Os hormônios tireoidianos não atravessam prontamente a barreira placentária, mas ocorre alguma transferência, conforme evidenciado pelos níveis no cordão umbilical de fetos atireóticos; observou-se que tais níveis correspondem a aproximadamente um terço dos níveis maternos. No entanto, a transferência de hormônio tireoidiano da mãe para o feto pode não ser adequada para impedir o hipotireoidismo intra-útero. Lactação: Embora os hormônios da tireóide sejam excretados apenas em quantidades mínimas no leite materno, recomenda-se cautela ao administrar SYNTHROID® (levotiroxina sódica) em mulheres durante a lactação. Entretanto, doses adequadas de reposição de levotiroxina são geralmente necessárias para manter uma lactação normal. Uso pediátrico: Geral: O objetivo do tratamento em pacientes pediátricos com hipotireoidismo é atingir e manter o crescimento e desenvolvimento físico e intelectual normais. A dose inicial de levotiroxina varia com a idade e com o peso corporal (ver Posologia - Tabela 3). Os ajustes de doses são baseados na avaliação dos parâmetros clínicos e laboratoriais individuais dos pacientes (ver Precauções, Exames laboratoriais). Em crianças nas quais o diagnóstico de hipotireoidismo permanente ainda não foi estabelecido, recomenda-se que a administração de levotiroxina seja descontinuada por período teste de 30 dias, mas apenas depois que a criança tiver pelo menos 3 anos de idade. Os níveis séricos de T4 e de TSH devem então, ser reavaliados. Se T4 for baixa, TSH elevado e o diagnóstico de hipotireoidismo permanente estabelecido, o tratamento com levotiroxina deve ser reinstituído. Se os níveis de T4 e TSH forem normais, pode-se assumir o eutireoidismo e, portanto, o hipotireoidismo pode ser considerado como transitório. Nestas circunstâncias, entretanto, o médico deve monitorizar cuidadosamente a criança e repetir os testes de função tireoidiana caso apareça qualquer sinal ou sintoma de hipotireoidismo. Se isso ocorrer, o médico deve ter um elevado índice de suspeita de recidiva. Se os resultados do teste de suspensão da levotiroxina não forem conclusivos, será necessário um acompanhamento cuidadoso com realização subseqüente dos testes. Considerando que algumas crianças afetadas mais gravemente podem se tornar clinicamente hipotireóideas quando o tratamento é descontinuado por 30 dias, uma abordagem alternativa é reduzir a dose de reposição de levotiroxina pela metade durante o período teste de 30 dias. Se após 30 dias os níveis séricos de TSH aumentarem acima de 20 MU/l e o diagnóstico de hipotireoidismo permanente for confirmado, o tratamento completo de reposição deve ser instituído. Porém, se os níveis séricos de TSH não aumentarem acima de 20 MU/l, o tratamento com levotiroxina deve ser suspenso por mais um período teste de 30 dias, seguido de controle sérico de Tt4 e TSH. A presença concomitante de condições médicas deve ser considerada em determinadas circunstâncias clínicas e, se presentes, devem ser tratadas apropriadamente (ver Precauçôes). Hipotireoidismo congênito (ver Precauções, Exames laboratoriais e Posologia): A rápida restauração das concentrações séricas de T4 é essencial para impedir os efeitos adversos do hipotireoidismo congênito sobre o desenvolvimento intelectual, bem como sobre o crescimento físico geral e a maturação. Portanto, o tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser iniciado imediatamente no momento do diagnóstico e deve ser mantido por toda a vida. Durante as duas primeiras semanas de tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica), os lactentes devem ser monitorados rigorosamente quanto à sobrecarga cardíaca, a arritmias e à aspiração decorrente de sucção ávida. O paciente deve ser monitorado rigorosamente para evitar tratamento insuficiente ou excessivo. O tratamento insuficiente pode resultar em efeitos nocivos sobre o desenvolvimento intelectual ou crescimento linear. O tratamento excessivo foi associado a craniossinostose em lactentes e pode afetar adversamente o ritmo de maturação cerebral e acelerar a idade óssea resultando em fechamento prematuro das epífises e comprometimento da estatura na fase adulta. Hipotireoidismo adquirido em pacientes pediátricos: O paciente deve ser monitorado rigorosamente para evitar tratamento insuficiente ou excessivo. O tratamento insuficiente pode resultar em mau desempenho escolar, devido às alterações da concentração e lentidão mental, e em baixa estatura na fase adulta. O tratamento excessivo pode acelerar a idade óssea e resultar no fechamento epifisário prematuro e comprometimento da estatura na fase adulta. As crianças tratadas podem manifestar um período de retomada do crescimento, que pode ser adequado em alguns casos para normalizar a estatura na fase adulta. Em crianças com hipotireoidismo grave ou prolongado, a retomada do crescimento pode não ser adequada para normalizar a estatura quando adulto. Uso em idosos: Em virtude da prevalência aumentada de doenças cardiovasculares em indivíduos idosos, o tratamento com levotiroxina não deve ser iniciado com a dose de reposição completa (ver Advertências, Precauções e Posologia). Atenção diabéticos: Contém açúcar.

Interações medicamentosas - Muitas substâncias afetam a farmacocinética e o metabolismo do hormônio tireoidiano (por exemplo, absorção, síntese, secreção, catabolismo, ligação a proteínas e resposta do tecido-alvo) e podem alterar a resposta terapêutica a SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Além disso, os hormônios e o estado da tireóide apresentam efeitos variados sobre a farmacocinética e a ação de outras substâncias. Uma relação de interações entre substâncias e o eixo tireoidiano é apresentada na Tabela 2. A relação de interações entre substâncias e o eixo tireoidiano da Tabela 2 pode não estar completa em virtude da introdução de novas substâncias que interagem com o eixo tireoidiano ou à descoberta de interações previamente desconhecidas. O médico deve estar ciente deste fato e deve consultar as fontes de referência apropriadas (por exemplo, bulas de medicamentos aprovados recentemente, literatura médica) para obter informações adicionais, se houver suspeita de interação medicamentosa entre outras substâncias e a levotiroxina.

Tabela 2 - Interações entre substâncias e o eixo tireoidiano

Substâncias ou classe de substâncias Efeito

Substâncias que podem reduzir a secreção de TSH: a redução não é mantida, portanto, não ocorre hipotireoidismo

Dopamina/agonistas da dopamina O uso desses agentes pode resultar em uma
Glicocorticóides redução transitória na secreção de TSH quando
Octreotida administrados nas seguintes doses: dopamina
(³ 1 mcg/kg/min); glicocorticóides (hidrocortisona
³ 100 mg/dia ou equivalente); octreotida
(> 100 mcg/dia)

Substâncias que alteram a secreção do hormônio da tireóide

Substâncias que podem diminuir a secreção de hormônio tireoidiano, podendo resultar em hipotireoidismo

Aminoglutetimida O tratamento por longo prazo com lítio pode
Amiodarona resultar em bócio em até 50% dos pacientes e
Iodeto (inclusive agentes de também em hipotireoidismo evidente ou
contraste radiográfico contendo subclínico em até 20% dos pacientes. Fetos,
iodo) recém-nascidos, idosos e pacientes
Lítio eutireoidianos com doença de tireóide
Tioamidas subjacente (p. ex.: tireoidite de Hashimoto
- Metimazol ou doença de Graves previamente tratadas
- Propiltiouracil (PTU) com iodo radiativo ou cirurgia) estão entre os
- Carbimazol indivíduos particularmente suscetíveis a
Sulfonamidas apresentar hipotireoidismo induzido pelo iodo.
Tolbutamida Agentes orais para colecistografia e
amiodarona são excretados lentamente,
produzindo hipotireoidismo mais prolongado
do que o produzido por agentes de contraste
iodados administrados por via parenteral. O
tratamento prolongado com aminoglutetimida
pode diminuir minimamente os níveis de
T3 e T4 e aumentar o TSH, embora todos
os valores permaneçam dentro dos limites
da normalidade na maioria dos pacientes

Substâncias que podem aumentar a secreção de hormônio tireoidiano, podendo resultar em hipertireoidismo

Amiodarona Iodetos e medicamentos que contêm quantidades
iodetos (incluindo agentes de farmacológicas de iodetos podem causar
contraste radiográfico hipertireoidismo em pacientes eutireoidianos
contendo iodo) com doença de Graves previamente tratados com
substâncias antitireoidianas ou em pacientes
eutireoidianos com autonomia da tireóide (p. ex.:
bócio multinodular ou adenoma hiperfuncionante
da tireóide). O hipertireoidismo pode se desenvolver
ao longo de várias semanas e persistir por vários
meses após a descontinuação do tratamento. A
amiodarona pode induzir hipertireoidismo por
causar tireoidite

Substâncias que podem diminuir a absorção de T4: pode resultar em hipotireoidismo

Antiácidos (hidróxidos de alumínio e O uso concomitante pode reduzir a eficácia da
magnésio, simeticona) levotiroxina pela ligação e atraso ou inibição da
Seqüestrantes de ácidos biliares absorção, resultando em hipotireoidismo potencial.
(colestiramina e colestipol) O carbonato de cálcio pode formar um quelato
Carbonato de cálcio insolúvel com a levotiroxina, o sulfato ferroso
Resinas trocadoras de cátions provavelmente forma um complexo férrico
(poliestireno sulfonado de sódio) de tiroxina. Administrar a levotiroxina com,
Sulfato ferroso pelo menos, 4 horas de intervalo em
Sucralfato relação à administração desses agentes

Substâncias que podem alterar o transporte sérico de T4 e T3: a concentração de T4 livre permanece normal, portanto, o paciente permanece eutireoidiano

Substâncias que podem aumentar a Substâncias que podem diminuir a concentração
concentração sérica de TBG sérica de TBG

Clofibrato Androgênios/esteróides anabolizantes
Contraceptivos orais contendo estrogênio Asparaginase
Estrogênios (orais) Glicocorticóides
Heroína/metadona Ácido nicotínico de liberação lenta
5-fluorouracil
Mitotano
Tamoxifeno

Substâncias que podem causar deslocamento do sítio de ligação protéica

Furosemida (> 80 mg IV) A administração desses agentes com
Heparina levotiroxina resulta em um aumento inicial
Hidantoínas transitório de T4 livre. A administração
Antiinflamatórios não-esteróides continuada resulta em uma diminuição
Fenamatos da T4sérica e em concentrações normais
Fenilbutazona de T4 livre e TSH, e, portanto, os pacientes
Salicilatos (> 2 g/dia) são clinicamente eutireoidianos. Os
salicilatos inibem a ligação da T4 e da T3
a TBG e transtiretina. Um aumento sérico
inicial da T4 livre é seguido por retorno
aos níveis normais de T4 livre com
concentrações séricas terapêuticas
mantidas de salicilato, embora os níveis
de T4 total possam diminuir em até 30%

Substâncias que podem alterar o metabolismo de T4 e de T3

Substâncias que podem aumentar o metabolismo hepático: pode resultar em hipotireoidismo

Carbamazepina A estimulação da atividade enzimática
Hidantoína do sistema de metabolização de drogas
Fenobarbital microssomal hepático pode causar aumento
Rifampicina da degradação hepática de levotiroxina,
resultando em aumento da necessidade de
levotiroxina. A fenitoína e a carbamazepina
reduzem a ligação protéica sérica da
levotiroxina, e a T4 livre e total podem ser
reduzidas em 20% a 40%, mas a maioria
dos pacientes apresenta níveis séricos
normais de TSH e são clinicamente
eutireoidianos

Substâncias que podem diminuir a atividade da T4 5' deiodase

Amiodarona A administração desses agentes inibidores
Antagonistas beta-adrenérgicos de enzimas diminui a conversão periférica de
(p. ex.: propranolol > 160 mg/dia) T4 em T3, levando a níveis diminuídos de T3.
Glicocorticóides (p. ex.: dexametasona Entretanto, os níveis séricos de T4 geralmente
³ 4 mg/dia) são normais, mas podem estar, ocasionalmente,
Propiltiouracil (PTU) aumentados. Em pacientes tratados com doses
elevadas de propranolol (> 160 mg/dia), os níveis
de T3 e de T4 alteram-se discretamente, os níveis
de TSH permanecem normais e os pacientes são
clinicamente eutireoidianos. Deve-se notar
que a ação de determinados antagonistas
beta-adrenérgicos pode ser alterada quando
o paciente com hipotireoidismo é convertido
para o estado de eutireoidismo. A administração
de doses elevadas de glicocorticóides por
curtos períodos pode diminuir a concentração
sérica de T3 em cerca de 30% com mínimas
alterações dos níveis séricos de T4. Entretanto
a administração prolongada de glicocorticóides
pode resultar em discreta diminuição dos níveis
de T3 e T4 devido à produção diminuída de TBG
(ver anteriormente)

Anticoagulantes orais Os hormônios da tireóide parecem aumentar
- Derivados cumarínicos o catabolismo de fatores de coagulação
- Derivados da indandiona dependentes da vitamina K, aumentando,
assim, a atividade de anticoagulantes orais.
O uso concomitante desses agentes altera
os aumentos compensadores da síntese dos
fatores de coagulação. O tempo de protrombina
deve ser cuidadosamente monitorizado em
pacientes recebendo levotiroxina e
anticoagulantes orais, e a dose do
anticoagulante deve ser ajustada
apropriadamente

Antidepressivos O uso concomitante de antidepressivos
- Tricíclicos (p. ex.: amitriptilina) tricíclicos e tetracíclicos e levotiroxina
- Tetracíclicos (p. ex.: maprotilina) pode aumentar os efeitos terapêuticos
- Inibidores seletivos da recaptação e tóxicos de ambas as substâncias,
serotonina -- ISRS (p. ex.: sertralina)
possivelmente devido à sensibilidade
aumentada do receptor às catecolaminas.
Os efeitos tóxicos podem incluir risco
aumentado de arritmias cardíacas e
estimulação do SNC; o início da ação
dos tricíclicos pode ser acelerado.
A administração de sertralina em
pacientes estabilizados no tratamento
com levotiroxina pode resultar em
aumento da necessidade de levotiroxina

Agentes antidiabéticos A adição da levotiroxina ao tratamento
- Biguanidas antidiabético ou à insulina pode resultar
- Meglitinidas em aumento ou das necessidades dos agentes
- Sulfoniluréias antidiabéticos ou da insulina. Recomenda-se
- Tiazolidinedionas monitorização cuidadosa do controle do
- Insulina diabetes, especialmente quando se inicia,
modifica ou descontinua o tratamento de
reposição de hormônio tireoidiano

Glicosídeos cardíacos Os níveis séricos de glicosídeos digitálicos
podem ser reduzidos no hipertireoidismo ou
quando o paciente hipotireóideo é convertido
em eutire´óideo. O efeito terapêutico dos
digitálicos pode ser reduzido

Citocinas O tratamento com interferon-a foi associado
- Interferon-a ao desenvolvimento de anticorpos
- Interleucina-2 microssomais antitireóide em 20%
dos pacientes e alguns apresentaram
hipotireoidismo transitório, hipertireoidismo
ou ambos. Pacientes que apresentam
anticorpos antitireóide antes do tratamento
apresentam alto risco de apresentar
disfunção tireoidiana durante o tratamento.
A interleucina-2 foi associada à tireoidite
indolor transitória em 20% dos pacientes.
Não há relatos de que o interferon-b e g
sejam causadores de disfunção tireoidiana

Hormônios do crescimento O uso excessivo de hormônios tireoidianos
- Somatrem com hormônios do crescimento pode
- Somatropina acelerar o fechamento epifisário. Entretanto,
o hipotireoidismo não-tratado pode interferir
na resposta de crescimento ao hormônio do
crescimento

Cetamina O uso concomitante pode produzir
hipertensão acentuada e taquicardia;
recomenda-se cautela na administração
a pacientes que estejam recebendo
tratamento hormonal tireoidiano

Broncodilatadores metilxantínicos Pode ocorrer diminuição da depuração de
(p. ex.: teofilina) teofilina em pacientes hipotireóideos;
a depuração retorna ao normal quando
o estado eutireoideo é atingido.

Agentes radiográficos Os hormônios da tireóide podem reduzir
a captação de I123, I131 e Tc99

Simpaticomiméticos O uso concomitante pode aumentar
os efeitos dos simpaticomiméticos ou
do hormônio da tireóide. Os hormônios
da tireóide podem aumentar o risco de
insuficiência coronariana quando
agentes simpaticomiméticos são
administrados em pacientes com
doença arterial coronariana

Hidrato de cloral Estes agentes foram associados a alterações
Diazepam dos níveis de hormônio da tireóide e/ou TSH
Etionamida por vários mecanismos
Lovastatina
Metoclopramida
6-mercaptopurina
Nitroprussiato
Para-aminossalicilato sódico
Perfenazina
Resorcinol (uso tópico excessivo)
Diuréticos tiazídicos


Anticoagulantes orais: A levotiroxina aumenta a resposta ao tratamento com anticoagulantes orais. Portanto, pode ser necessária uma diminuição da dose do anticoagulante com a correção para o estado hipotireóideo ou quando a dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é aumentada. O tempo de protrombina deve ser monitorado rigorosamente para permitir ajustes de posologia apropriados e oportunos (ver Tabela 2). Glicosídeos digitálicos: Os efeitos terapêuticos dos glicosídeos digitálicos podem ser reduzidos pela levotiroxina. Os níveis séricos dos digitálicos podem ser diminuídos quando um paciente hipotireóideo se torna eutireóideo, necessitando de um aumento da dose de digitálico (ver Tabela 2). Interações com alimentos: O consumo de determinados alimentos pode afetar a absorção da levotiroxina levando à necessidade de ajuste da posologia. A farinha de soja (preparação pediátrica), farinha de caroço de algodão, nozes, cálcio e suco fortificado com cálcio e fibras dietéticas podem se ligar e diminuir a absorção da levotiroxina sódica no trato gastrintestinal. Interações com exames laboratoriais: Devem-se considerar alterações na concentração de TBG ao se interpretar os valores de T4 e T3, que necessitam de medida e avaliação do hormônio não ligado e/ou determinação do índice de T4 livre (FT4I). As concentrações de TBG aumentam com a gestação, hepatite infecciosa, estrogênios, contraceptivos orais contendo estrogênios e porfiria aguda intermitente. Diminuições nas concentrações de TBG são observadas em nefrose, hipoproteinemia grave, hepatopatia grave, acromegalia e depois de tratamento com androgênios ou corticosteróides (ver também Tabela 2). Foram descritas globulinemias familiares com hiper ou hipoligação de tiroxina, com a incidência de deficiência de TBG de aproximadamente 1 em 9000.

Reações adversas - As reações adversas associadas ao tratamento com levotiroxina são em geral aquelas do hipertireoidismo devido a superdosagem terapêutica (ver Precauções e Superdosagem). Gerais: Fadiga, aumento do apetite, perda de peso, intolerância ao calor, febre, sudorese excessiva. Sistema nervoso central: Cefaléia, hiperatividade, nervosismo, ansiedade, irritabilidade, instabilidade emocional, insônia. Sistema musculoesquelético: Tremores, fraqueza muscular. Cardíacas: Palpitações, taquicardia, arritmias, aumento de pulso, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, angina, infarto do miocárdio, parada cardíaca. Pulmonares: Dispnéia. Gastrintestinais: Diarréia, vômitos, dores abdominais, aumento da atividade hepática. Dermatológicas: Queda de cabelos, rubor facial. Endócrinas: Redução da densidade mineral óssea. Reprodutivas: Irregularidade menstrual, alterações da fertilidade. Pseudotumor cerebral e luxação da epífise femoral foram relatados em crianças sob tratamento com levotiroxina. tratamento excessivo pode resultar em craniossinostose e em fechamento prematuro da epífise em crianças, resultando em comprometimento da altura quando adultos. Convulsões foram raramente relatadas com a instituição de tratamento com levotiroxina. Dose inadequada de levotiroxina pode produzir ou não melhora nos sinas e sintomas de hipotireoidismo. Reações de hipersensibilidade aos ingredientes inativos ocorreram em pacientes tratados com produtos do hormônio da tireóide. Essas incluem urticária, prurido, erupção cutânea, rubor, angioedema, vários sintomas gastrintestinais (dor abdominal, náusea, vômito e diarréia), febre, artralgia, doença do soro e dificuldade de respirar. Não se conhecem ocorrências de hipersensibilidade a levotiroxina.

Posologia - Princípios gerais: O objetivo da terapia de reposição é atingir e manter o estado clínico e bioquímico eutireóideo. O objetivo da terapia supressora é inibir o crescimento e/ou função anormal do tecido tireoideano. A dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser estipulada de acordo com a presença de fatores como: idade; peso corporal; sistema cardiovascular; condições clínicas concomitantes, incluindo gravidez, uso concomitante de outros medicamentos e a natureza específica da condição que está sendo tratada (ver Advertências e Precauções). Entretanto, as doses indicadas são apenas recomendações. A dosagem deve ser individualizada e ajustada conforme a resposta do paciente ao tratamento e parâmetros laboratoriais (ver Precauçôes, Exames laboratoriais). SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser administrado em dose diária, de preferência 30 minutos a 1 hora antes do café da manhã. SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser administrado com um intervalo de, pelo menos, 4 horas da administração de outros medicamentos que alteram a sua absorção (ver Interações medicamentosas e Precauções). Devido à longa meia-vida de levotiroxina, o efeito terapêutico máximo de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) pode ser atingido em 4 a 6 horas. Deve-se ter cautela na administração de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) em pacientes com doença cardiovascular subjacente, insuficiência adrenal e pacientes idosos (ver Precauções). Populações especiais: Hipotireoidismo em adultos e crianças cujas fases de crescimento e puberdade estejam completadas: Ver Advertências, Precauções e Exames laboratoriais. Dose inicial: Recomenda-se uma dose inicial de 25 a 50 mcg/dia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica), com aumentos graduais na posologia a cada 6 a 8 semanas, conforme a necessidade dos pacientes com mais de 50 anos, ou pacientes com idade inferior a 50 anos mas com doença cardíaca subjacente. A dose inicial recomendada de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) em pacientes idosos com doença cardíaca é de 12,5 a 25 mcg/dia, com aumentos graduais em intervalos de 4 a 6 semanas. A posologia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é, geralmente, aumentada em 12,5 a 25 mcg até que pacientes com hipotireoidismo primário sejam clinicamente considerados eutireoideanos e os níveis de TSH, normalizados. Em pacientes com hipotireoidismo grave, a dose inicial recomendada é de 12,5 a 25 mcg/dia, com aumentos de 25 mcg/dia a cada 2 a 4 semanas, acompanhados por avaliações médicas e testes laboratoriais, até que o nível de TSH tenha normalizado. O tratamento deve ser iniciado com doses de reposição em pacientes saudáveis com menos de 50 anos e em pacientes com mais de 50 anos que passaram por recente tratamento para hipertireoidismo, ou que apresentaram hipotireoidismo por curto período de tempo (alguns meses). Manutenção: A dose de reposição média de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) é de aproximadamente 1,7 mcg/kg/dia (100 a 125 mcg/dia para um adulto de 70 kg). Pacientes com mais de 50 anos podem necessitar de doses menores que 1 mcg/kg/dia. Doses maiores do que 200 mcg/dia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) raramente são necessárias. Uma resposta inadequada a doses diárias menores ou iguais a 300 mcg/dia é rara e podem indicar baixa adesão ao tratamento, má absorção e/ou interação com outros medicamentos. Em pacientes com hipotireoidismo secundário (pituitário) ou terciário (hipotalâmico) a dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser ajustada até que o paciente seja clinicamente considerado eutireoideano e os níveis de T4 livre estejam 50% acima da média considerada normal. Uso pediátrico: Hipotireoidismo congênito ou adquirido: Ver Precauções, Exames laboratoriais. Princípios gerais: Geralmente, o tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser instituído com doses de reposição assim que possível. O atraso no diagnóstico ou início do tratamento pode provocar efeitos deletérios no crescimento e desenvolvimento intelectual e físico de crianças. Tratamento insuficiente ou excessivo deve ser evitado (ver Precauções, Uso pediátrico). Sugestão de administração: Para crianças com dificuldade de ingerir os comprimidos de SYNTHROID® (levotiroxina sódica), deve-se proceder da seguinte forma: triturar o comprimido e suspendê-lo em uma pequena quantidade [5 a 10 ml ou 1 a 2 colheres (chá)] de água potável, leite ou preparação pediátrica sem soja em sua composição. A suspensão pode ser administrada em colher ou conta-gotas. A suspensão preparada não pode ser estocada para outra dose. Alimentos ou preparações pediátricas contendo elevadas concentrações de fibra de soja ou ferro não devem ser utilizados na administração de levotiroxina sódica (ver Precauções, Interações com alimentos). O comprimido triturado também pode ser administrado com pequenas quantidades de alimentos (cereais, sucos, etc). Para atingir absorção máxima, recomenda-se que SYNTHROID® (levotiroxina sódica) seja administrado 30 minutos à 1 hora antes do café da manhã. Entretanto, caso não seja possível seguir essa recomendação, deve-se efetuar tratamento consistente. Se SYNTHROID® (levotiroxina sódica) for administrado com alimentos, essa prática deve ser mantida consistentemente. Caso alguma administração seja realizada com estômago vazio, após 6 a 8 semanas de administrações com alimentos, testes de TSH devem ser efetuados para verificar se a quantidade de levotiroxina absorvida pela criança é adequada. Recém-nascidos: A dose inicial recomendada de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) a recém-nascidos é de 10 a 15 mcg/kg/dia. Uma dose inicial reduzida (p. ex.: 25 mcg/dia) deve ser considerada em crianças com insuficiência cardíaca e deve ser ajustada a cada 4 a 6 semanas, conforme resposta clínica e laboratorial ao tratamento. Em crianças com concentrações séricas de T4 baixas (< 5 mcg/dl) ou indetectáveis, recomenda-se dose inicial de 50 mcg/dia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica). Crianças: O tratamento com SYNTHROID® (levotiroxina sódica) deve ser iniciado com doses de reposição, com a dose/kg reduzindo conforme a idade (Tabela 3). Entretanto, a crianças com hipotireoidismo crônico ou grave, recomenda-se dose inicial de 25 mcg/dia de SYNTHROID® (levotiroxina sódica), com aumentos de 25 mcg a cada 2 a 4 semanas, até que o efeito desejado seja obtido. Hiperatividade em crianças mais velhas pode ser minimizada se a dose inicial corresponder a 1/4 da dose de reposição recomendada e ocorrerem aumentos semanais de 1/4 na posologia até que a dose recomendada seja atingida.

Tabela 3 - Pacientes pediátricos com hipotireoidismo

Idade Dose diária de
levotiroxina sódica
(mcg/kg/dia)a

0 a 3 meses 10-15
3 a 6 meses 8-10
6 a 12 meses 6-8
1 a 5 anos 5-6
6 a 12 anos 4-5
Acima de 12 anos 2-3
mas com crescimento e
puberdade incompletos
Crescimento e puberdade 1,7
completos

a A dose deve ser ajustada conforme a resposta clínica e os parâmetros laboratoriais (ver Precauções, Exames laboratoriais e Uso pediátrico).


Gravidez: A gestação pode aumentar a necessidade de levotiroxina sódica (ver Precauções, Gravidez). Hipotireoidismo subclínico: Caso seja realizado tratamento para essa condição clínica, uma dose menor (p. ex.: 1 mcg/kg/dia) do que a recomendada para tratamento de reposição pode ser suficiente para que o nível sérico de TSH normalize. Pacientes não-tratados devem ser monitorados quanto ao estado clínico e parâmetros tireoideanos laboratoriais. Supressão de TSH em pacientes com câncer tireoideano bem diferenciado e nódulos tireoideanos: Os níveis de supressão de TSH desejados nessas condições não foram estabelecidos em estudos controlados. Além disso, a eficácia da suspensão de TSH na presença de doença nodular benigna é contraditória. Portanto, a dose de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) utilizada na supressão de TSH deve ser individualizada conforme o grau da doença e o quadro clínico. No tratamento de câncer tireoideano bem diferenciado (papilar e folicular), a levotiroxina é utilizada como adjuvante em cirurgias ou radioiodoterapia. Geralmente, o TSH é suprimido a menos de 0,1 mU/l e normalmente requer doses de SYNTHROID® (levotiroxina sódica) acima de 2 mcg/kg/dia. Entretanto, em pacientes com elevado risco de apresentar tumores, o nível desejado de supressão do TSH pode ser inferior a 0,01 mU/l. No tratamento de nódulos benignos e bócio multinodular atóxico, o TSH é suprimido a níveis acima dos estabelecidos no tratamento de câncer tireoideano (p. ex.: 0,1 a 0,5 ou 1,0 mU/l). Levotiroxina sódica é contra-indicada caso o TSH sérico já esteja suprimido devido ao risco de precipitação de tireotoxicose evidente (ver Contra-indicações, Advertências e Precauções). Coma mixedêmico: O coma mixedêmico pode colocar a vida do paciente em risco devido à má circulação e hipometabolismo, podendo resultar em absorção imprevisível da levotiroxina sódica no trato gastrintestinal. Entretanto, medicamentos com hormônios tireoideanos em sua formulação, tais como SYNTHROID® (levotiroxina sódica), não são recomendados no tratamento de tais condições. Hormônios tireoideanos intravenosos devem ser administrados.

Superdosagem - Os sinais e sintomas de superdosagem são aqueles do hipertireoidismo (ver Precauções e Reações adversas). Além disso, podem ocorrer confusão e desorientação. Foram relatados embolia cerebral, choque, coma e óbito. Ocorreram convulsões em uma criança que ingeriu aproximadamente 18 mg de levotiroxina. Os sintomas podem não ser necessariamente evidentes ou podem não aparecer vários dias após a ingestão da levotiroxina sódica. Tratamento da superdosagem: Se ocorrerem sinais e sintomas de superdosagem, a dose de levotiroxina sódica deve ser reduzida ou temporariamente interrompida. Superdosagem aguda maciça: Esta pode ser uma emergência que coloca a vida do indivíduo em risco, e portanto, o tratamento sintomático e de suporte deve ser instituído imediatamente em ambiente hospitalar. Se não houver contra-indicação (p. ex.: convulsões, coma ou perda do reflexo do vômito), o estômago deve ser esvaziado por êmese ou lavagem gástrica para diminuir a absorção gastrintestinal. Podem também ser usados carvão ativado ou colestiramina para diminuir a absorção. As atividades simpáticas central e periférica aumentadas podem ser tratadas pela administração de antagonistas de b-receptores (p. ex.: propranolol), desde que não haja contra-indicações médicas pra seu uso.Proporcionar suporte respiratório conforme necessário; controlar insuficiência cardíaca congestiva e arritmia, controlar febre, hipoglicemia e perda líquida conforme necessário. Podem ser administrados glicocorticóides para inibir a conversão de T4 em T3.. Doses elevadas de drogas antitireoidianas seguidas em uma a duas horas por grandes doses de iodo podem ser administrados para inibir a conversão de T4 em T3. Plasmaférese, hemoperfusão carbônica e transfusão devem ser realizados somente quando ocorrer deterioração clínica continuada na presença de terapia convencional. Devido à elevada ligação protéica do T4, muito pouca substância será removida por diálise.

Pacientes idosos - Em virtude da prevalência aumentada de doenças cardiovasculares em indivíduos idosos, o tratamento com levotiroxina não deve ser iniciado com a dose de reposição completa (ver Advertências, Precauções e Posologia), mas com uma dose menor com aumento gradual até que a dose de reposição completa seja atingida.

Venda Sob Prescrição Médica.

Fabricado por: Knoll BV - Puerto Rico.

SAC: 0800-7031050.

Registro no M.S.1.0553.0289.

Importado e embalado por:
ABBOTT Laboratórios do Brasil Ltda.

O Clinicabr é um software para area de saúde. Para consultar a venda de remédios, sugerimos alguns sites populares na internet. Farmácias e drogarias on line:

Farmagora - www.farmagora.com.br
Farmadelivery - www.farmadelivery.com.br
Netfarma - www.netfarma.com.br
Ultrafarma - www.ultrafarma.com.br
Drogaria Minas Brasil - www.drogariaminasbrasil.com.br
Onofre - www.onofre.com.br

Informamos que esta se destina unicamente para consultas e que o uso de medicamentos sem orientação adequada pode trazer riscos a saúde. O ClinicaBR recomenda a todos os pacientes a procurarem sempre uma orientação médica.

Acidex VIAGRA MICROVLAR SALONPAS GEL Cialis Adegrip TYLENOL Adeforte Uni Vir Creme Software Medico Rivotril Novalgina Adriblastina Rd Puran T4 Advil Adalat Retard Acular Acrosin Bulario Software Odontologico Acarsan Locao Ad-element Cadastrar Dorflex Aerolin CID-10 Absten S HIPOGLOS Ad-til Accuvit NEOSALDINA Acticalcin Acne-aid BUSCOPAN Adalat Ciclo 21