Rental Software - Vivorental.com

Info:
- Aluguel de Computadores para consultorios, com toda a suporte: Convex
- Aluguel de multifuncionais, com toner, cilindro e suporte: Convex
- Adovagados - Previdenciario, DPVAT, Civil, Familia e Criminal - em Sinop / MT
- CRM, Proposal, Contracts and Invoices Management tool for small business
- CRM FOR RENTAL COMPANIES

Bula Medicamento - CEFAXON


CEFAXON (Ariston).

Cefalexina

500 mg

Apresentação
Cápsulas: Embalagem contendo 8 ou 100 cápsulas.

Composição
Cada cápsula de 500 mg contém: Cefalexina monoidratada equivalente a cefalexina base 500 mg; Excipiente q.s.p. 1 cápsula. Características: A cefalexina é um antibiótico semi-sintético bactericida, do grupo das cefalosporinas, para administração oral. Sua ação bactericida, de maneira similar às penicilinas, é devido à interferência na formação da parede celular bacteriana. A cefalexina é rapidamente absorvida após administração oral; a ingestão conjunta de alimentos retarda a absorção, mas não prejudica a quantidade total de medicamento absorvido. A cefalexina é largamente distribuída para a maioria dos tecidos e fluidos, com exceção do líquido cefalorraquidiano; portanto, não é indicada no tratamento de meningites, mesmo quando causadas por microrganismos sensíveis. É excretada pelo rim, principalmente sob a forma inalterada. Testes in vitro demonstram que as cefalosporinas são ativas contra os microrganismos: Streptococcus beta-hemolíticos; estafilococos (coagulase-positivos e negativos e cepas produtoras de penicilinase); Streptococcus pneumoniae (Diplococcus); Escherichia coli; Proteus mirabilis; Klebsiella sp.; Haemophilus influenzae; Moraxella catarrhalis. A cefalexina mostrou ser ativa nas seguintes infecções: infecções do trato respiratório, causadas por S. pneumoniae e estreptococos beta-hemolíticos do grupo A; otite média, causada por S. pneumoniae, H. influenzae, estafilococos, estreptococos e M. catarrhalis; infecções da pele e suas estruturas causadas por estafilococos e estreptococos; infecções ósseas causadas por estafilococos ou Proteus mirabilis; infecções geniturinárias, incluindo prostatite aguda, causadas por E. coli, P. mirabilis e Klebsiella sp.; infecções dentária, causadas por estafilococos ou estreptococos.

Indicações
A cefalexina é indicada nas infecções causadas por microrganismos sensíveis (realizar testes de sensibilidade e cultura).

Contra-indicações
Hipersensibilidade aos antibióticos cefalosporínicos e antibióticos relacionados. Precauções e advertências: Os pacientes devem ser acompanhados cuidadosamente quanto à reação adversa ou manifestação não-usual de idiossincrasia. Se ocorrer reação alérgica, o antibiótico deve ser suspenso e o paciente tratado com os medicamentos usuais (p. ex.: adrenalina ou outras aminas pressoras, anti-histamínicos ou corticosteróides) e as medidas de manutenção necessárias. Em pacientes com insuficiência renal pode ser necessária uma redução nas doses; as doses usuais em tais pacientes podem resultar em concentrações séricas excessivas. O uso prolongado pode resultar em crescimento de microrganismos resistentes, sendo essencial a constante observação do paciente. Antes de iniciar a terapia, deve-se fazer uma pesquisa cuidadosa quanto a reações anteriores de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas ou outros medicamentos. Existem evidências de sensibilidade cruzada parcial entre as penicilinas e cefalosporinas. Pacientes têm apresentado reações severas (incluindo anafilaxia) a ambas as drogas. Foi relatada colite pseudomembranosa com o uso de antibióticos de amplo espectro; portanto, é importante considerar este diagnóstico quando surgirem diarréias durante o tratamento. Os casos leves de colite pseudomembranosa geralmente respondem à interrupção do antibiótico; nos casos moderados ou graves, o tratamento deve incluir sigmoidoscopia, estudos bacteriológicos e suplementação de líquidos, eletrólitos e proteínas e administração de vancomicina oral, se necessário. Outras causas de colite devem ser excluídas. Antibióticos de amplo espectro devem ser prescritos com cautela para pacientes com história de doença gastrintestinal, particularmente colite. Estudos realizados em ratos e camundongos demonstraram que a cefalexina não teve efeito adverso sobre o feto. No entanto, como ainda não foi estabelecida em humanos a segurança do produto durante a gravidez, recomenda-se que seu uso somente seja feito quando muito necessário. Deve-se considerar que a maioria dos antibióticos cefalosporínicos é excretada em pequena quantidade no leite materno. O uso em crianças deve ser cuidadoso; foi relatado acúmulo sérico, com conseqüente aumento da meia-vida, de antibióticos cefalosporínicos em neonatos. Interações medicamentosas: Agentes bacteriostáticos podem interferir com a ação bactericida da cefalexina, principalmente em infecções agudas. O uso conjunto deve ser evitado. A probenecida inibe a excreção de cefalexina, aumentando seus níveis séricos. Interferência em exames laboratoriais: Podem ocorrer resultados falso-positivos para os ensaios de glicosúria com testes inespecíficos; utilizar testes enzimáticos. Pode ocorrer resultado falso-positivo no teste de Coombs direto.

Reações adversas
Hipersensibilidade: As reações mais comuns são urticária, prurido e erupções cutâneas. Mais raramente foram observados: febre, eosinofilia, dores nas articulações, mialgia, angioedema, edema, eritema, síndrome de Stevens-Johnson, reações semelhantes às da doença do soro e anafilaxia. Existe maior probabilidade dessas reações ocorrerem em pacientes com história de alergias. Gastrintestinais: Diarréia, dispepsia, dor abdominal, náuseas e vômitos. Sintomas de colite pseudomembranosa podem aparecer durante ou após o tratamento. Outros sintomas relatados foram: prurido anal e genital, vaginites, tontura, fadiga, cefaléia, agitação. Foram relatados muito raramente: nefrite intersticial reversível, neutropenia, trombocitopenia, elevações da transaminase glutâmico-oxalacética (TGO) e transaminase glutâmico-pirúvica (TGP), hepatite transitória e icterícia colestática.

Posologia
Atenção: A administração do medicamento deve ser prolongada por, no mínimo, 48 a 72 horas após a evidência de erradicação bacteriana. Em infecções causadas por estreptococos beta-hemolíticos do grupo A, o tratamento deve ser de, no mínimo, 10 dias. Adultos: 1 a 4 g/dia em doses divididas. Na faringite estreptocócica, infecções da pele e suas estruturas e cistite não-complicada em pacientes acima de 15 anos de idade, usar 500 mg a cada 12 horas. Podem ser necessárias doses maiores para infecções severas ou microrganismos menos suscetíveis; se a dose for maior que 4 g/dia, usar medicamentos parenterais. Crianças: 25 a 50 mg/kg/dia em doses divididas. Na faringite estreptocócica em pacientes acima de 1 ano de idade e para infecções da pele e suas estruturas, dividir a dose diária total e administrar a cada 12 horas. Em casos severos, a dose pode ser dobrada. Na otite média, administrar 75 a 100 mg/kg/dia em doses divididas.

O Clinicabr é um software para area de saúde. Para consultar a venda de remédios, sugerimos alguns sites populares na internet. Farmácias e drogarias on line:

Farmagora - www.farmagora.com.br
Farmadelivery - www.farmadelivery.com.br
Netfarma - www.netfarma.com.br
Ultrafarma - www.ultrafarma.com.br
Drogaria Minas Brasil - www.drogariaminasbrasil.com.br
Onofre - www.onofre.com.br

Informamos que esta se destina unicamente para consultas e que o uso de medicamentos sem orientação adequada pode trazer riscos a saúde. O ClinicaBR recomenda a todos os pacientes a procurarem sempre uma orientação médica.

Acidex VIAGRA MICROVLAR SALONPAS GEL Cialis Adegrip TYLENOL Adeforte Uni Vir Creme Software Medico Rivotril Novalgina Adriblastina Rd Puran T4 Advil Adalat Retard Acular Acrosin Bulario Software Odontologico Acarsan Locao Ad-element Cadastrar Dorflex Aerolin CID-10 Absten S HIPOGLOS Ad-til Accuvit NEOSALDINA Acticalcin Acne-aid BUSCOPAN Adalat Ciclo 21